NAMORO E AMOR

Amor não é egoísmo; isto é, preferência por mim, mas pelo outro. Amar não é gostar; gostamos de coisas, amamos pessoas
 
Mas, afinal, o que é amar? O que leva muitos casamentos ao fracasso é a falsa noção que se tem do amor. Há no ar uma “caricatura” do amor. Amor não é egoísmo; isto é, preferência por mim, mas pelo outro. Amar não é gostar; gostamos de coisas, amamos pessoas. Se tremes de paixão diante de uma menina, e lhe dizes: “amo-te”, podes estar certo de que estás a mentir, pois esta tremedeira é sinal de que queres saciar o teu ego desejoso de prazer.
 
Isto não é amor, é paixão carnal, é egoísmo. Amar é muito mais do que isso, pois não é satisfazer a si mesmo. Amar não é apoderar-se do outro para satisfazer-se; é o contrário, é dar-se ao outro para completá-lo. E para isto é preciso que te renuncies, que te esqueças de ti. Corres o risco de, insatisfeito, querer apaixonadamente agarrar aquilo que te falta; e isto não é amar. Assim o amor morre nas tuas mãos.
 
Só começarás a compreender o que é amar, quando a sua vontade de fazer o bem ao outro for maior do que a sua necessidade de tomá-lo só para si, para satisfazer-se. Para amar de verdade, será preciso uma longa preparação, porque somos egoístas. Se não aprenderes de verdade a amar, poderás construir um lar oscilante e de paredes frágeis, que poderão não suportar o peso do telhado.
 
As paixões sensíveis da adolescência não são o autêntico amor, mas a perturbação de um jovem que encontra diante de si os encantos e a novidade da masculinidade ou da feminilidade. Amar é dar-se, ensina-nos Michel Quoist.
 
Mas para que possas verdadeiramente dar-te a alguém, precisas primeiro “possuir-te”. Ninguém pode dar o que não possui. Se não te possuis, se não tens o domínio de ti mesmo, como é que te queres dar a alguém? Como queres amar? Amar não é “ser engatado” por alguém, “possuir” alguém, ou ter afeição sensível, ou mesmo render-se a alguém.

Amar é, livre e conscientemente, dar-se a alguém para completá-lo e construí-lo. E isto é mais do que um impulso sensível do coração; é uma decisão da razão. Amar é uma decisão. E a decisão não é tomada apenas com o coração, empurrado pela sensibilidade. A decisão é tomada com a razão. 
 
O teu egoísmo é o teu tirano! A autenticidade do amor verifica-se pela cruz. Todo o amor verdadeiro traz o sinal do sacrifício. E é através desse sinal que se identifica o verdadeiro amor e o falso. Não há amor sem renúncia. Não foi isto que Jesus nos ensinou? “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei” (Jo 15,12). Ele mandou amar, mas amar “como Eu vos amo”. E como é que Ele nos amou? Até à cruz!
 
Professor Felipe Aquino

art original: http://senzapagare.blogspot.pt/2014/08/namoro-e-amor.html

 

ARTIGOS DIVERSOS

Amor não é egoísmo; isto é, preferência por mim, mas pelo outro. Amar não é gostar; gostamos de coisas, amamos pessoas   Mas, afinal, o que é amar? O que leva muitos casamentos ao fracasso é a falsa noção que se tem do amor. Há no ar uma “caricatura” do amor. Amor não é...
Sou um cirurgião, e dou aulas há algum tempo. Por treze anos vivi na companhia de cadáveres e durante a minha carreira estudei anatomia a fundo. Posso portanto escrever sem presunção a respeito de morte. Jesus entrou em agonia no Getsêmani e o seu suor tornou-se como gotas de sangue a escorrer pela...
A Personificação do Mal   Como caíste dos céus, Ó astro brilhante, Filho da Aurora? Como foste abatido por terra, Ó dominador das nações?   A era moderna oculta o demónio da mensagem pública. A sua existência é negada, embora proliferem as sociedades secretas, os filmes de...
      Como toda nossa vida na eternidade depende do estado da alma no momento da morte, urge falar da impenitência final, que se opõe a boa morte e, por contraste, falaremos também das conversões “in extremis”. A impenitência de um pecador cifra-se na ausência ou privação...
Numa entrevista à Viva, a revista dominical do diário argentino “Clarín”, o Papa Francisco deu dez dicas para ser feliz. O decálogo da felicidade do Papa já faz furor na Internet. Aqui estão as dicas, explicadas pelo próprio Francisco. 1 – Vive e deixa viver "Aqui os romanos têm um ditado e...
  1.- O que significa a palavra Islã e quando surgiu o Islã? A palavra Islã quer dizer entrega, abandono de si mesmo a Alá. O Islã é a submissão à Alá. O Islã aparece no ano 610 da era cristã no deserto arábico. Foi fundado por Maomé, embora os muçulmanos não aceitem isso; para eles...
Ao olharmos para a história da Igreja encontramos uma linda página marcada pelos homens de Deus, mas também pela dor, fervor e amor à Virgem Mãe de Deus: é a história da Ordem dos Carmelitas, da qual testemunha o cardeal Piazza: “O Carmo existe para Maria e Maria é tudo para o Carmelo, na sua...
Por: P. Gonçalo Portocarrero de Almada in: Observador   São eles ilustres ateus ou agnósticos recém-falecidos que, sem mediar qualquer conversão in extremis, nem sinal de vaga fé cristã, são declarados, para efeitos exequiais, retroactivamente católicos. Depois do 25 de Abril de 1974,...
Por José Luís Nunes Martins publicado em 12 Jul 2014 - 05:00 O nosso coração deve ser um castelo. De onde expulsamos, sem demoras, tudo quanto atenta contra o nosso bem. Sem excessos nem cobardias. Em paz As tentações não são ferozes, nem vencem pela força… a sua...
1. A palavra hebraica, que traduzimos por “coração” (leb ou lebàb) aparece-nos 860 vezes no Antigo Testamento. Se lhe juntarmos a palavra grega “kardía” no Novo Testamento, chegaríamos a um milhar de ocorrências deste conceito na Bíblia. Para nós, ocidentais, o termo «coração» evoca sobretudo a...
1 | 2 >>

Contacto

Comunidade Católica de Evangelização Online nadateturbe@nadateespante.com