O TESTEMUNHO DE SANTO AGOSTINHO

O TESTEMUNHO DE SANTO AGOSTINHO
 
O hábito de oferecer sufrágios pelas almas do Purgatório é muito antigo na vasta tradição da Igreja. Já em tempos do Apóstolo Paulo, os cristãos da comunidade de Tessalónica se perguntavam o que acontecia aos seus irmãos defuntos. Esta é uma dúvida permanente para os fiéis, saber o que realmente acontece aos seus defuntos.
Na incerteza, a Igreja Peregrina, entrega-se à oração e a outras práticas típicas da caridade cristã, em sufrágio dos que já partiram. Muitas destas práticas são duvidosas e suscitaram muitas dúvidas, como a que foi feita por Paulino, bispo de Nola, a Santo Agostinho. Pelo ano de 421, Santo Agostinho responde a uma dúvida do seu irmão no episcopado, Paulino de Nola. Esta resposta suscitará outro tipo de reflexão acerca das práticas da piedade a ter com os defuntos. 
Tais escritos estão condensados na obra O cuidado devido aos mortos.
 
A questão central era se havia alguma vantagem para o cristão ao ser supultado junto dos túmulos dos grandes santos e mártires. Na sua resposta, Santo Agostinho, tendo como base o texto de São Paulo aos Coríntios (2Cor 5,10), adverte-nos para o facto de as acções em vida serem muito mais preciosas para o alívio depois da morte. 
Ainda assim, o santo, recordando-se de outros textos da Sagrada Escritura e da própria tradição da Igreja, lembra na sua resposta o momento em que o sacerdote junto ao altar dirige as suas orações a Deus, reserva um espaço especial para a encomendação dos defuntos e recorda a venerável tradição de orar pelos que já partiram.
 
Ainda assim, o sepultamento cristão é acima de tudo um consolo para a Igreja Peregrina ao testemunhar a ternura para com os que já partiram. Assim, os vivos, quando se aproximam da sepultura dos seus defuntos, movidos por uma afeição amorosa, acabam por rezar, recomendando à Igreja Celeste o seu ente querido.
Assim é a oração que verdadeiramente conta, por isso terminará Santo Agostinho a sua obra dizendo: 
 
Aos que amamos não só carnalmente, mas também espiritualmente, aos que estão mortos segundo a carne, não quanto ao espírito, ofereçamos, de modo mais solícito, mais insistente, mais abundante, aqueles bens que, de facto, têm préstimo para os espíritos dos finados: sacrifícios, orações e esmola. 
 
Aprendamos a orar com aqueles que nos procederam na fé, sigamos o exemplo de alguns homens e mulheres que tiveram a intuição da importância de rezar pelas almas do Purgatório. 

SOBRE A DEVOÇÃO ÁS ALMAS DO PURGATÓRIO

Orações iniciais para todos os dias da novena:   Acto de Contrição   Senhor Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem, Criador e Redentor meu, em quem firmemente creio e espero e a Quem amo mais que a mim mesmo, mais do que todas as coisas; pesa-me, Senhor, de...
Devemos ter medo das penas do Purgatório? As penas do Purgatório, se por um lado são duras e rigorosas, nem por isso deixam de vir acompanhadas, por outro, das mais doces consolações. As penas do Purgatório, se por um lado são duras e rigorosas, nem por isso deixam de vir...
Desde quando os católicos rezam pelas almas do purgatório? Essa realidade é uma mera invenção da Idade Média ou faz parte da fé recebida dos apóstolos? Assista a este vídeo e descubra, além disso, por que os protestantes não acreditam no purgatório Desde quando os católicos rezam pelas almas do...
Quem morre na graça de Deus sem possuir aquela caridade que nos dá entrada ao céu precisa purificar-se inteiramente no Purgatório, e são as nossas orações e penitências a sua maior fonte de ajuda e consolo. Quem morre na graça de Deus sem possuir aquela caridade que nos dá entrada ao céu...
O Concílio de Trento, em 1563, ensinou que o purgatório existe e que as almas aí retidas podem ser ajudadas pelos sufrágios dos fiéis e sobretudo pelo santo sacrifício do altar. Entrar no céu e participar da glória de Deus é o anseio de cada cristão. No entanto, para que isso aconteça é preciso...
 A SAGRADA ESCRITURA DIZ-NOS...   «[...] que num determinado momento da história de Israel o povo pôs-se em oração, suplicando que o pecado cometido fosse totalmente cancelado. O nobre Judas pediu ao povo para se afastar do pecado, pois acabavam de ver, com os seus próprios olhos, o...
A IGREJA DIZ-NOS...   «[...] que na morte o justo se encontra com Deus, que o chama a Si para o tornar participe da vida divina. Mas ninguém pode ser recebido na amizade e intimidade de Deus se antes não se purificou das consequências pessoais de todas as suas...
O TESTEMUNHO DE SANTO AGOSTINHO   O hábito de oferecer sufrágios pelas almas do Purgatório é muito antigo na vasta tradição da Igreja. Já em tempos do Apóstolo Paulo, os cristãos da comunidade de Tessalónica se perguntavam o que acontecia aos seus irmãos defuntos. Esta é uma dúvida...
DIZ-NOS AINDA SANTO AGOSTINHO   Não se pode negar que as almas dos defuntos sejam aliviadas pela piedade dos seus parentes vivos, quando por elas é oferecido o sacrifício do único Mediador entre Deus e os homens, o Senhor Jesus Cristo, ou quando são distribuídas esmolas na...
IRMÃ FRANCISCA CHAMBON A 24 de Maio de 1844, numa pequena aldeia perto de Chabéry (França), nasceu Francisca Chambon. A pequena Francisca viria a ser baptizada no mesmo dia na Igreja Paroquial de São Pedro de Lemenc.  Aos nove anos teve a primeira visão de Cristo lacerado, como no...
1 | 2 >>

Contacto

Comunidade Católica de Evangelização Online nadateturbe@nadateespante.com