32 – MARIA, COMO TODO O DESCENDENTE DE ADÃO, HERDOU A MANCHA DO PECADO ORIGINAL?

Não. Desde o primeiro instante da sua conceição, por singular graça e privilégio de Deus, em virtude dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do género humano, Ela foi preservada imune de toda a mancha do pecado original. 

Por isso, a Igreja A chama: Imaculada Conceição.

 

33 – ESTE PRIVILÉGIO DIZ APENAS IMUNIDADE DE PECADO (ORIGINAL E ACTUAL) E DE CONCUPISCÊNCIA? 

Não. Maria não somente foi preservada da mancha do pecado e da chama da concupiscência, mas, desde o primeiro instante da sua conceição imaculada, foi cumulada de graças por Deus, num grau incomparavelmente superior a todos os Anjos e homens. Por esse motivo o Anjo A saudou: “Ave, cheia de graça” (Lc 1, 28).

 

34 – MARIA TAMBÉM FOI REMIDA PELO SANGUE DE JESUS, NA CRUZ?

Sim, Maria também foi remida pelos merecimentos de Jesus Cristo, seu divino Filho, só que de um modo especial e singular. Os merecimentos do Salvador tiveram por efeito não purificar a sua Mãe, mas preserva-la do pecado que Ela deveria contrair como filha de Adão. Para Maria, a Redenção não foi liberativa, mas preservativa.

 

35 – POR QUE FOI MARIA PERSERVADA DO PECADO ORIGINAL? 

Porque escolhida para ser a “Toda Santa” (Pan-ha-guía, em grego), digna Mãe de Deus e Corredentora do Género humano. O Salvador não poderia ter escolhido formar o seu corpo adorável de uma carne que tivesse sido manchada com a nódoa do pecado. E Santo Anselmo, diz que Deus, conservando puros milhões de Anjos no meio da ruína de tantos outros, não podia deixar de preservar da queda comum a Mãe do seu Filho e Rainha dos Anjos. 

“Para ser a Mãe do Salvador, Maria foi enriquecida por Deus com dons dignos para tamanha função... Efetivamente para dar o assentimento livre da sua fé ao anúncio da sua vocação era preciso que ela estivesse totalmente sob a moção da graça de Deus.” (CIC 490 Catecismo da Igreja Católica).

 

36 – A IMACULADA CONCEIÇÃO DE MARIA É UM DOGMA DEFENIDO PELA IGREJA? 

Sim, o Papa Pio IX, no dia 8 de Dezembro de 1854, definiu solenemente como de fé católica a doutrina da Imaculada Conceição de Maria, na Bula Ineffabilis Deus: 

“... Com a autoridade de Nosso Senhor Jesus Cristo, dos bem-aventurados Apóstolos Pedro e Paulo e com a Nossa, declaramos, pronunciamos e definimos: A doutrina que sustenta que a beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante da sua Conceição, por singular graça e privilégio de Deus Omnipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo, salvador do género humano, foi preservada imune de toda a mancha de pecado original, essa doutrina foi revelada por Deus, e por isso deve ser crida firme e inviolavelmente por todos os fiéis.” (n. 41).

 

37 -  ESTA VERDADE ESTÁ, DE FACTO, CONTIDA NO DEPÓSITO DA REVELAÇÃO? 

Sim: 

1) Na Sagrada Escritura:

a) “Porei inimizade entre ti e a mulher; entre a tua descendência e a descendência dela (…) ela te esmagará  a cabeça” (Gn 3,15). Conforme a doutrina constante da Igreja, a “mulher” de que fala o Génesis é Maria, Mãe de Jesus, sua “descendência”. Nessa passagem são prenunciadas a comum inimizade e comum vitória total do Redentor e de sua Mãe Santíssima sobre o demónio. Ora, essas “inimizades” e essa vitória (“Ela te esmagará a cabeça”) supõem, não somente em Jesus, mas também em Maria, uma total ausência de pecado, mesmo original.

b) “Ave, cheia de graça; o Senhor é contigo” (Lc 1,28). O sentido exato, da saudação do Anjo, “Ave, cheia de graça” (Kecharitoméne) é que Maria nunca esteve sem a graça. Logo nunca esteve em pecado.

c) “Toda és formosa, amiga minha, e em ti não há mácula” (Cânticos 4,7). A Igreja aplica estas palavras a Maria, Esposa castíssima do Espírito Santo. E ainda estas: “Como a açucena entre os espinhos, assim é a minha amiga entre as donzelas” (Cânticos 2,2) 

2) Na Tradição: 

expressa no ensino oficial da Igreja, na Liturgia, na pregação constante dos Padres e doutores.

A própria razão nos persuade desta verdade. Maria é Mãe de Deus. Portanto, era sumamente conveniente à Santíssima Trindade que Ela fosse Imaculada. 

Nos séculos XII e XIII houve muitos teólogos que duvidaram da Imaculada Conceição, mas o Franciscano Bem-aventurado João Duns Scotto (+1308), enquanto ensinava teologia na Universidade de Paris, conseguiu responder a todas essas dúvidas com tanta clareza e fortaleza, que foi chamado desde então até hoje, o “Doutor da Imaculada”.

 

38 -  EM QUE DIA CELEBRAMOS A FESTA DA IMACULADA CONCEIÇÃO? 

 

No dia 8 de Dezembro.

 
Não. Desde o primeiro instante da sua conceição, por singular graça e privilégio de Deus, em virtude dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do género humano, Ela foi preservada imune de toda a mancha do pecado original. 
 
Por isso, a Igreja A chama: Imaculada Conceição.
 
 
33 – ESTE PRIVILÉGIO DIZ APENAS IMUNIDADE DE PECADO (ORIGINAL E ACTUAL) E DE CONCUPISCÊNCIA? 
 
Não. Maria não somente foi preservada da mancha do pecado e da chama da concupiscência, mas, desde o primeiro instante da sua conceição imaculada, foi cumulada de graças por Deus, num grau incomparavelmente superior a todos os Anjos e homens. Por esse motivo o Anjo A saudou: “Ave, cheia de graça” (Lc 1, 28).
 
 
34 – MARIA TAMBÉM FOI REMIDA PELO SANGUE DE JESUS, NA CRUZ?
 
Sim, Maria também foi remida pelos merecimentos de Jesus Cristo, seu divino Filho, só que de um modo especial e singular. Os merecimentos do Salvador tiveram por efeito não purificar a sua Mãe, mas preserva-la do pecado que Ela deveria contrair como filha de Adão. Para Maria, a Redenção não foi liberativa, mas preservativa.
 
 
35 – POR QUE FOI MARIA PERSERVADA DO PECADO ORIGINAL? 
 
Porque escolhida para ser a “Toda Santa” (Pan-ha-guía, em grego), digna Mãe de Deus e Corredentora do Género humano. O Salvador não poderia ter escolhido formar o seu corpo adorável de uma carne que tivesse sido manchada com a nódoa do pecado. E Santo Anselmo, diz que Deus, conservando puros milhões de Anjos no meio da ruína de tantos outros, não podia deixar de preservar da queda comum a Mãe do seu Filho e Rainha dos Anjos. 
 
“Para ser a Mãe do Salvador, Maria foi enriquecida por Deus com dons dignos para tamanha função... Efetivamente para dar o assentimento livre da sua fé ao anúncio da sua vocação era preciso que ela estivesse totalmente sob a moção da graça de Deus.” (CIC 490 Catecismo da Igreja Católica).
 
 
36 – A IMACULADA CONCEIÇÃO DE MARIA É UM DOGMA DEFENIDO PELA IGREJA? 
 
Sim, o Papa Pio IX, no dia 8 de Dezembro de 1854, definiu solenemente como de fé católica a doutrina da Imaculada Conceição de Maria, na Bula Ineffabilis Deus: 
 
“... Com a autoridade de Nosso Senhor Jesus Cristo, dos bem-aventurados Apóstolos Pedro e Paulo e com a Nossa, declaramos, pronunciamos e definimos: A doutrina que sustenta que a beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante da sua Conceição, por singular graça e privilégio de Deus Omnipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo, salvador do género humano, foi preservada imune de toda a mancha de pecado original, essa doutrina foi revelada por Deus, e por isso deve ser crida firme e inviolavelmente por todos os fiéis.” (n. 41).
 
 
37 -  ESTA VERDADE ESTÁ, DE FACTO, CONTIDA NO DEPÓSITO DA REVELAÇÃO? 
 
Sim: 
 
1) Na Sagrada Escritura:
 
a) “Porei inimizade entre ti e a mulher; entre a tua descendência e a descendência dela (…) ela te esmagará  a cabeça” (Gn 3,15). Conforme a doutrina constante da Igreja, a “mulher” de que fala o Génesis é Maria, Mãe de Jesus, sua “descendência”. Nessa passagem são prenunciadas a comum inimizade e comum vitória total do Redentor e de sua Mãe Santíssima sobre o demónio. Ora, essas “inimizades” e essa vitória (“Ela te esmagará a cabeça”) supõem, não somente em Jesus, mas também em Maria, uma total ausência de pecado, mesmo original.
 
b) “Ave, cheia de graça; o Senhor é contigo” (Lc 1,28). O sentido exato, da saudação do Anjo, “Ave, cheia de graça” (Kecharitoméne) é que Maria nunca esteve sem a graça. Logo nunca esteve em pecado.
 
c) “Toda és formosa, amiga minha, e em ti não há mácula” (Cânticos 4,7). A Igreja aplica estas palavras a Maria, Esposa castíssima do Espírito Santo. E ainda estas: “Como a açucena entre os espinhos, assim é a minha amiga entre as donzelas” (Cânticos 2,2) 
 
2) Na Tradição: 
 
expressa no ensino oficial da Igreja, na Liturgia, na pregação constante dos Padres e doutores.
 
A própria razão nos persuade desta verdade. Maria é Mãe de Deus. Portanto, era sumamente conveniente à Santíssima Trindade que Ela fosse Imaculada. 
 
Nos séculos XII e XIII houve muitos teólogos que duvidaram da Imaculada Conceição, mas o Franciscano Bem-aventurado João Duns Scotto (+1308), enquanto ensinava teologia na Universidade de Paris, conseguiu responder a todas essas dúvidas com tanta clareza e fortaleza, que foi chamado desde então até hoje, o “Doutor da Imaculada”.
 
 
38 -  EM QUE DIA CELEBRAMOS A FESTA DA IMACULADA CONCEIÇÃO? 
No dia 8 de Dezembro.

Contacto

Comunidade Católica de Evangelização Online nadateturbe@nadateespante.com